O filme «Collider», produzido pelo português Nuno Bernardo e inspirado na Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear, conhecida como CERN, vai ser hoje apresentado no festival de cinema de Genebra Tous Écrans.

«Além da projeção do filme, será possível jogar os jogos e ver todos os conteúdos», explicou Nuno Bernardo, acrescentando considerar esta apresentação como a estreia internacional de «Collider», apesar de o filme ter sido mostrado recentemente em Londres.

O filme, que usa várias plataformas multimédia, conta a história de seis desconhecidos que se encontram num mundo estranho e transtornado.

A história teve como base as experiências do CERN com a chamada «partícula de Deus» - ou bosão de Higgins, uma partícula teoricamente surgida durante o "Big Bang" e cuja existência foi provisoriamente confirmada a 14 de março - e as questões filosóficas que ela levanta.

Uma notícia divulgada naquela altura serviu de ponto de partida desta história, disse o produtor, recordando que «um indivíduo tentou sabotar o LHC [acelerador de partículas] porque achava que as experiências que estavam a ser feitas iam levar à destruição do planeta».

Entretanto, ao desenvolver as personagens, a equipa do produtor deu-se conta de que um filme de 90 minutos não ia chegar.

«O filme só é interessante se cada personagem tiver uma certa dimensão (...) e daí surgiu a novela gráfica (...), que conta cada uma das histórias deles antes de saltarem para o futuro» explicou.

Uma opção pela narrativa multiplataforma que o produto acreditar ter um grande futuro.

«Não tenho dúvida nenhuma porque todos já somos multimédia, somos todos multiplataforma (...) utilizamos telemóvel, tablet, computador, televisão ligada à internet e já não fazemos grande diferenciação para ver conteúdos como antigamente», explicou

Por isso, Nuno Bernardo tem muitas perspetivas de crescimento para a sua empresa ¿ a Beactive -, especializada na criação de relatos em diversas plataformas e conteúdos digitais, e que conta já com quatro escritórios espalhados pelo mundo.

Segundo o responsável, apesar de serem pensadas para o público português, as criações de Beactive, entre as quais se conta o «Beat Girl», nomeado para os Emmy Awards (os Óscares da televisão), já foram exportadas para todos os continentes.

A 19ª. edição do festival Tous Écrans, que tem hoje início, abre, pela primeira vez, com uma competição internacional dedicada unicamente a formatos narrativos multimédia, mas a programação dá destaque a séries televisivas, filmes de cinema, novelas na internet e diversos tipos de conteúdos digitais.