O ator e comediante Russell Brand recusou comentar as notícias de que estará a ponderar candidatar-se a presidente da câmara de Londres, avança o «Daily Mail».

De acordo com a publicação, o ex-marido de Katy Perry confessou aos amigos mais próximos que quer suceder a Johnson em 2016, data das próximas eleições.

A notícia causa alguma estranheza uma vez que Brand afirmou anteriormente que «votar é uma perda de tempo» e que é considerado «antipolítica».

«Não comentamos esse assunto», afirmou um porta-voz do comediante.

No entanto, o seu novo livro, «Revolução», tem algumas dicas sobre como será a sua «política» caso se decida a candidatar.

Russell afirma que «não dará a cabeça pela economia», declara o apoio a «coletivos» e quer banir a monarquia.

No mesmo livro, Brand fez algumas declarações polémicas no seu sobre os atentados de 11 de setembro de 2001, afirmando ter «mente aberta» sobre a ideia de que o governo norte-americano estar por detrás dos ataques.

No entanto, o ator recusou, esta quinta-feira, em declarações ao programa Newsnight da BBC2, descartar a possibilidade de que o governo norte-americano estava por detrás do atentado e chamou a atenção para a «relação interessante» entre as famílias de George Bush, ex-presidente dos EUA, e Osama bin Laden, líder de Al Qaeda, na altura dos atentados.

As candidaturas para presidente da câmara fecham cerca de cinco semanas antes das eleições em maio de 2016.