A Revolução de 25 de Abril de 1974 estará em destaque no festival Cinéma du Réel, em março, em Paris, com cerca de vinte filmes, num ciclo intitulado «Uma Tentativa de Amor», escreve a agência Lusa.

O Cinéma du Réel, festival dedicado ao documentário, decorrerá de 20 a 30 de março no Centre Georges Pompidou, em Paris, contando com uma programação para recordar, quarenta anos depois, como é que o cinema português registou a Revolução de Abril, o fim do Estado Novo e a transição para um regime democrático.

A intenção é «relembrar e ver hoje estes filmes extraordinários, que tentaram dar corpo à revolução, e também dar-lhes uma voz para nos despertar do sono profundo que a crise nos mergulhou», lê-se na nota de intenções do festival.

O ciclo mostra, à época, «uma geração de jovens realizadores portugueses que finalmente encontravam um país que correspondia à sua criatividade e vitalidade, enquanto realizadores de todo o mundo filmavam em Portugal, onde tudo parecia possível».

Entre os 19 filmes selecionados, quase todos do cinema militante, estão «Adeus, Até ao Meu Regresso» (1974), de António-Pedro Vasconcelos, «Deus, Pátria, Autoridade» (1975), de Rui Simões, «Que Farei Eu Com Esta Espada?» (1975), de João César Monteiro, e «Barronhos: Quem Tem Medo do Poder Popular?» (1976), de Luís Filipe Rocha.

«Torre Bela» (1977), de Thomas Harlan, «Terra de Pão, Terra de Luta» (1977), de José Nascimento, e «Nós Por Cá Todos Bem» (1976), de Fernando Lopes, também serão exibidos em Paris.

A programação terá igualmente filmes coletivos, feitos pelas cooperativas de realizadores e grupos de trabalhadores, como «Caminhos da Liberdade» (1974), pela Cinequipa, e «A Lei da Terra» (1977), pelo Grupo Zero.

Destaque ainda para «Cenas da Luta de Classes em Portugal» (1977), do realizador norte-americano Robert Kramer, e «Terra de Abril (Vilar de Perdizes)» (1977), de Philippe Costantini e Anna Glogowsky.

O ciclo, com curadoria de Federico Rossin, conta com a parceria da Cinemateca Portuguesa e da Apordoc - Associação pelo Documentário.

Na 36ª edição, o festival Cinéma du Réel contará, na competição oficial, com um filme português: a curta-metragem «Metáfora ou a Tristeza Virada do Avesso», de Catarina Vasconcelos.

Na mesma secção de curtas-metragens em competição estão os filmes «A Que Deve a Honra da Ilustre Visita Este Simples Marquês?», de Rafael Urban e Terence Keller, e «O Arquipélago», de Gustavo Beck, ambas produções brasileiras.