Uma série de cartazes de promoção a «12 Anos Escravo» em Itália foram retirados pela distribuidora local do filme depois de uma chuva de críticas sobre o alegado teor racista dos mesmos, noticia a revista «Variety».

Os polémicos cartazes davam destaque a Brad Pitt e Michael Fassbender, atores brancos mas com papéis secundários no filme, em detrimento do protagonista, o britânico de origem nigeriana Chiwetel Ejiofor.

A distribuidora italiana da película de Steve McQueen, a BIM, emitiu um pedido de desculpas público pela «criação e lançamento de cartazes não-autorizados»: «Todos os materiais inapropriados foram retirados. Estamos muito orgulhosos do filme e lamentamos quaisquer distrações que este incidente possa ter causado».

A verdade é que, coincidentemente, ou não, a única atriz do filme que era esperada na antestreia italiana de «12 Anos Escravo» não compareceu na exibição durante o Capri Hollywood Film Festival. A nigeriana Lupita Nyong'o faltou à apresentação naquele que é o último festival de cinema do ano.

«12 Anos Escravo» conta a história de Solomon Northup (Chiwetel Ejiofor), um afro-americano livre que é raptado e levado para o sul dos EUA, onde a escravatura ainda não tinha sido abolida. O filme baseia-se em «Twelve Years a Slave», a autobiografia de Northup, escrita no século XIX.

O filme é um dos favoritos aos Globos de Ouro, liderando com sete nomeações, incluindo Melhor Filme Dramático, Melhor Realizador (Steve McQueen), e Melhor Ator Principal em Filme Dramático (Chiwetel Ejiofor).