A 12.ª edição do festival audiovisual Black & White, que começa na quarta-feira, quer mostrar o Porto a preto e branco, numa altura em que a cidade está em “maior efervescência”, disse hoje o diretor.

O evento organizado pela Escola de Artes da Universidade Católica no Porto é “um festival já em plena afirmação no panorama dos festivais em Portugal”, disse à Lusa o diretor, Jaime Neves, que salientou o caráter “muito particular, muito específico" do festival "dedicado à estética do preto e branco”.


“Vamos, ao longo destes quatro dias, mostrar o Porto a preto e branco, isto no bom sentido, é uma imagem bonita que queremos dar do Porto”, afirmou Jaime Neves, que destacou as sessões dedicadas ao Cineclube do Porto e ao filme “Bicicleta” de Luís Vieira Campos, com argumento de Valter Hugo Mãe.


Questionado sobre o porquê de colocar o enfoque sobre o Porto ao fim de 12 anos, Jaime Neves disse que “poderia ter sido antes, mas é atualmente que o Porto está numa maior efervescência”, com uma “adrenalina muito agradável no turismo da cidade”.

Também o fotógrafo Nélson Garrido vai expor o seu trabalho no âmbito do festival, adiantou Jaime Neves.

No que diz respeito à competição, vão estar 26 curtas-metragens a concurso, provenientes de 13 países.

“Com características únicas a nível mundial”, o Black & White “nasceu da necessidade de responder a uma crescente sensibilidade do público para a especificidade do preto e branco, abandonando o preconceito que relaciona esta estética com obras dos primórdios do cinema”, explica a organização na página do festival.