A economia chinesa continua a abrandar ligeiramente, mas «a qualidade do crescimento aumentou» e no conjunto do ano deverá crescer 7%, indicou o ministro das Finanças chinês, Lou Jiwei, citado pela imprensa oficial.

No primeiro semestre de 2013, cujos dados serão anunciados na próxima segunda-feira, o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) chinês foi «ligeiramente mais baixo do que os 7,7%» registados no primeiro trimestre, adiantou Lou Jiwei durante a 5ª ronda do Diálogo Estratégico e Económico China-Estados Unidos, concluída na quinta-feira em Washington.

O ministro chinês considerou o abrandamento «um fenómeno necessário para a reestruturação económica».

«O contributo do consumo para o crescimento do PIB aumentou, a proporção do setor dos serviços também aumentou, a situação do emprego é boa e o Índice de Preços no Consumidor (um dos principais indicadores da inflação) não é alta», afirmou Lou Jiwei.

A economia chinesa, cujo crescimento registou em 2012 o valor mais baixo da última década (7,8%), é a segunda maior do mundo, a seguir aos Estados Unidos.

No relatório apresentado em março passado à Assembleia Nacional Popular, o primeiro-ministro cessante, Wen Jiabao, preconizou um crescimento de «cerca de 7,5%».

«O crescimento esperado para este ano é 7%», disse a agência noticiosa oficial chinesa Xinhua, citando o ministro das Finanças.