O líder parlamentar do PS disse esta tarde, no Porto, que «a ética política da atual equipa [do Ministério] das Finanças está absolutamente ferida», considerando ainda que há «uma enorme confusão de quem nos governa».

Carlos Zorrinho começou por atacar o Governo porque aproveita «este período de menor atenção dos portugueses para tomar medidas que são gravemente lesivas dos portugueses» tanto na educação como nas reformas.

O dirigente disse que há «uma instabilidade nas escolas que é gravemente prejudicial para as famílias, para os alunos e para os professores» concluindo que, «neste momento é já impossível preparar adequadamente o próximo ano letivo».

O dirigente socialista respondeu depois a questões sobre as críticas do PSD ao alegado envolvimento de assessores económicos do ex-primeiro-ministro José Sócrates na polémica dos swaps, lembrando que o PS já emitiu um comunicado acerca do assunto.

«Tudo isso não passa de cortinas de fumo, de lama atirada para a ventoinhas, porque também a equipa das Finanças tem muito que se lhe diga no plano da ética política», afirmou.