Qual é o seu poder?

António Mota preside a construtora Mota-Engil que herdou do pai. A empresa cresceu e modernizou-se, sendo hoje a maior construtora do país e uma das 30 maiores na Europa. Além disso, é a única empresa portuguesa na lista das 100 maiores construtoras mundiais.

É rico?

Sim. A Mota-Engil tem uma carteira de encomendas de milhares de milhões de euros e está em mais de 20 países, espalhados pela Europa, África e América Latina.

Que tipo de influência?

Mas não é só pelas grandes obras que António Mota ficará conhecido. As contratações sonantes da empresa que dirige também são a sua marca. Pela Mota-Engil já passaram ministros, secretários de estado e recentemente um vice-primeiro-ministro. A passagem de Jorge Coelho pela presidência da construtora foi especialmente polémica e Paulo Portas é a contratação do momento.

O seu poder é duradouro?

António Mota afastou-se da presidência executiva com apenas 53 anos de idade. Hoje, com 62, prepara terreno para a sucessão familiar. Já esteve a contas com a justiça por alegada fraude fiscal qualificada e chegou a ser constituído arguido, no âmbito da Operação Furacão, mas acabou por acertar contas com o fisco. A Mota-Engil devolveu 6 milhões em impostos e juros em falta e o processo ficou temporariamente suspenso.

A TVI e a TVI24 elegeram os 30 portugueses mais poderosos e divulgam a lista, nome a nome. Esta eleição é da exclusiva responsabilidade da Direção de Informação da TVI e da TVI24 e será divulgada diariamente no Jornal das 8.