O Bloco de Esquerda (BE) defende que a conduta do vereador na Câmara de Lisboa, Ricardo Robles, “em nada diminui a sua legitimidade na defesa das políticas públicas que tem proposto e que continuará a propor”.

Numa nota enviada à agência Lusa, o BE reitera que "é falsa a realização de qualquer venda; enquanto coproprietário de um imóvel, Ricardo Robles manteve com todos os seus inquilinos uma relação inteiramente correta, assegurando os direitos de todos".

Em causa está uma notícia avançada na edição de sexta-feira do Jornal Económico, que dá conta que em 2014 o autarca adquiriu um prédio em Alfama por 347 mil euros, que foi reabilitado e posto à venda em 2017 avaliado em 5,7 milhões de euros.

Na sequência desta publicação, a concelhia de Lisboa do PSD pediu a demissão do vereador bloquista, acusando-o de "falta de ética, seriedade e credibilidade política".

Em conferência de imprensa realizada ao final da tarde de sexta-feira, Ricardo Robles reiterou que a avaliação do prédio “foi feita por uma agência imobiliária, que o teve à venda por seis meses até abril” e que “desde então, o imóvel não está a venda”.

Por isso, sublinhou, “esta compra não foi uma operação especulativa”.

Agora, Ricardo Robles assegura que vai “colocar o imóvel em propriedade horizontal, de forma a poder dividir as frações”.

Não venderei a minha parte do imóvel e colocarei as minhas frações no mercado de arrendamento. Não comprei este prédio para o vender com mais-valias e, pela minha parte, não o farei”, afirmou.

Questionado sobre a existência de um conflito entre o que defendeu na campanha eleitoral e o que tem defendido enquanto vereador – uma vez que se tem mostrado muito crítico da especulação imobiliária e da saída dos moradores da cidade – Ricardo Robles defendeu que “não há nenhuma incoerência”.

Na sua opinião, o vereador está a “exercer enquanto proprietário” aquilo que defende para a cidade, uma vez que está “a dar o exemplo” pelo “direito à habitação, pelo direito à permanência" na cidade.

Face ao esclarecimento público já feito por Ricardo Robles, o Bloco de Esquerda sublinha que; é falsa a realização de qualquer venda; enquanto coproprietário de um imóvel, Ricardo Robles manteve com todos os seus inquilinos uma relação inteiramente correta, assegurando os direitos de todos”, acrescenta o comunicado do BE.

Após a conferência de imprensa de Ricardo Robles, também o presidente da concelhia de Lisboa do PSD anunciou na noite de sexta-feira que vai questionar se o presidente da Câmara Municipal de Lisboa e a coordenadora nacional do Bloco de Esquerda “mantêm a confiança política” no vereador Ricardo Robles.

Paulo Ribeiro reafirmou que o vereador do Bloco de Esquerda (BE) da Câmara de Lisboa, Ricardo Robles, “não reúne condições para exercer o cargo de vereador”, depois das declarações dadas hoje aos jornalistas durante uma conferência de imprensa na sede do BE.