Enquanto as notícias do costume deste período do ano – como a rentrée política e o arranque do ano escolar – voltam a aparecer no barómetro do início de setembro anunciando a iminente chegada do Outono, um tema próprio do verão continua também a estar tristemente presente no panorama da informação portuguesa. Os fogos florestais, que durante todo o mês de Agosto queimaram grandes áreas de Portugal, voltaram a incendiar as notícias da primeira semana de setembro, puxando as outras para a zona cinzenta da atenção mediática.

Segundo os dados da Proteção Civil, a área ardida em agosto foi duas vezes e meia superior à média e este é um dado destinado a piorar com os incêndios dos últimos dias. É um fenómeno que todos os anos se repete da mesma forma ou pior, sem que surja uma solução resolutória que só poderia passar por uma forte ação preventiva. Mas parece que, apagadas as chamas, os fogos entram no esquecimento das decisões do governo, deixando de ser um problema quando o termómetro baixa, para depois reaparecer e deixar estranhamente todos surpreendidos nos meses mais quentes. 

Se os incêndios estão agora presentes na rentrée política, esta não parece trazer novidades nos temas que dominaram a agenda política do verão, em primeiro lugar as viagens pagas pela Galp a membros do Governo, o inquérito à Caixa Geral de Depósitos e o IMI. 

Novidades importantes há por outro lado na rentrée escolar, com a distribuição gratuita de manuais escolares a todos os alunos do 1º ano e a introdução do novo sistema de avaliação no ensino básico.

E ainda, o futebol, presença fiel do barómetro em todas as estações, também o foi neste início de setembro, com o arranque das seleções para o Campeonato do Mundo de 2018 que, para Portugal, foi mais difícil do que o previsto.

 

Ficha técnica:

O Barómetro de Notícias é desenvolvido pelo Laboratório de Ciências de Comunicação do ISCTE-IUL como produto do Projeto Jornalismo e Sociedade e em associação com o Observatório Europeu de Jornalismo. É coordenado por Gustavo Cardoso, Décio Telo, Miguel Crespo e Ana Pinto Martinho. A codificação das notícias é realizada por Rute Oliveira, João Lotra e Sofia Barrocas. Apoios: IPPS-IUL, Jornalismo@ISCTE-IUL, e-TELENEWS MediaMonitor / Marktest 2015, fundações Gulbenkian, FLAD e EDP, Mestrado Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação, LUSA e OberCom.

Análise de conteúdo realizada a partir de uma amostra semanal de 413 notícias destacadas diariamente em 17 órgãos de comunicação social generalistas. São analisadas as 4 notícias mais destacadas nas primeiras páginas da Imprensa (CM, PÚBLICO, JN e DN), as 3 primeiras notícias nos noticiários da TSF, RR e Antena 1 das 8 horas, as 4 primeiras notícias nos jornais das 20 horas nas estações de TV generalistas (RTP1, SIC, TVI e CMTV) e as 3 notícias mais destacadas nas páginas online de 6 órgãos de comunicação social generalistas selecionados com base nas audiências de Internet e diversidade editorial (amostra revista anualmente). Em 2016 fazem parte da amostra as páginas de Internet do PÚBLICO, Expresso, Observador, TVI24, SIC Notícias e JN.