O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, disse esta quinta-feira que crescimento da economia portuguesa em 0,2% no terceiro trimestre, face ao período anterior, «é um sinal muito tímido, mas uma notícia que agrada».

Em declarações à Lusa, António Saraiva considerou que o crescimento económico de 0,2% no terceiro trimestre do ano, face ao trimestre anterior, «é uma notícia que agrada, embora um sinal muito tímido que não deixa de animar».

António Saraiva comentava de forma positiva os números da estimativa rápida hoje avançados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) para o PIB português no terceiro trimestre deste ano.

Sobre a análise à oitava e nona avaliações do Programa de Ajustamento Económico e Financeiro (PAEF), divulgado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), de que a diretora geral é Christine Lagarde, e que defende que Portugal deverá cortar mais nos salários e nas pensões para alcançar um equilíbrio sustentável das contas públicas, António Saraiva disse à Lusa que «o caminho não é por aí».

«Há uma avaliação estritamente técnica que é feita. É preciso sobrepor a política à técnica» e aí os políticos e o Governo devem chamar a atenção para «as especificidades próprias do país», sublinhou.

António Saraiva relembrou que o modelo de desenvolvimento para Portugal «não passa por salários baixos».

«O modelo está a ser alterado e passa, nomeadamente, pelo aumento do valor acrescentado para a economia do país, por uma maior qualificação e pelo crescimento da competitividade», concluiu.