Baleias: quais os segredos da migração?

Programa de Marcação de Grandes Baleias pode ajudar a desvendar os mistérios das áreas de alimentação e de reprodução

Por: Redação / Andreia Miranda    |   11 de Maio de 2009 às 18:25
O Programa de Marcação de Grandes Baleias, desenvolvido pelo Departamento de Oceanografia e Pescas da Universidade dos Açores, foi criado para tentar perceber qual o papel dos Açores na migração das baleias.

Em declarações ao tvi24.pt, Mónica Silva, investigadora da Universidade dos Açores, deu a conhecer que «o projecto começou em 2007, mas só em 2008 foi iniciada a marcação de baleias de barba».

As baleias são marcadas com transmissores via satélite que fornecem dados sobre o posicionamento dos animais e qual a rota que este faz até chegar às áreas de alimentação e reprodução. Em 2008, «foram marcadas com sucesso quatro baleias sardinheiras, que forneceram dados durante três meses», afirma a investigadora.

«Este ano, já marcámos duas baleias azuis e uma baleia sardinheira», acrescenta.

Descobrir as áreas de migração importantes

«Os principais objectivos [deste projecto] são descobrir as áreas importantes para a migração destas baleias, no que diz respeito às áreas de alimentação e de reprodução», explica Mónica Silva.

A marcação destas baleias serve para «descobrir se os Açores servem como área de alimentação» para estas baleias e para resolver o mistério das áreas de reprodução.

«Tentamos marcar os animais quando passam pelos Açores no Outono para descobrir as áreas de reprodução quando migram para Sul», afirma a investigadora.

As baleias mantêm «sempre o mesmo padrão de migração» deslocando-se para norte no início da Primavera e para sul no início do Outono.



«As águas tropicais ou subtropicais a sul são escolhidas para acasalar, reproduzir e dar à luz», explica a investigadora, revelando que é um mistério a localização das áreas de reprodução. «Há indicação de algumas nas Caraíbas, no Atlântico Nordeste e na costa ocidental africana, mas não há certezas», acrescenta.

Por sua vez, «as águas frias, na zona norte, são áreas de alimentação por serem mais ricas em alimento».

Alimentação durante a migração

A baleia azul e a baleia sardinheira apresentam padrões de alimentação diferentes. Enquanto que a baleia azul permanece nos Açores, desde que foi marcada, para se alimentar antes de iniciar a migração, a baleia sardinheira já rumou para norte.

«Existia a suspeita que estas grandes baleias não se alimentam durante a migração para chegarem rapidamente à área de alimentação», explicou a investigadora.

No entanto, «através da marcação das baleias, foi possível observar que a baleia sardinheira, marcada a 27 de Abril, seguiu em migração directa para norte, quase sem paragens. Pára menos vezes, parecendo mais focada em chegar ao seu destino. Em cinco dias, já percorreu 1300 quilómetros para norte dos Açores», relatou Mónica Silva.

Por sua vez, «a baleia azul, marcada a 2 de Maio, continua no mesmo sítio há uma semana, o que significa que está a alimentar-se. Encontra-se a 300 quilómetros a Norte dos Açores, e exibe um padrão de alimentação, por permanecer na mesma área».

Para a investigadora, o facto de a baleia se manter nos Açores significa que o arquipélago tem um papel importante na rota deste animal que «ainda está por descobrir».
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Açores: mapa de migração de baleias
Açores: mapa de migração de baleias

COMENTÁRIOS

PUB
Afinal, Passos rejeita devolver totalidade dos cortes em 2016

Passos Coelho dá o dito por não dito e volta a insistir na reposição gradual de salários. Depois de afirmar que reversão dos cortes em 2016 será integral, afirma que, se for reeleito, fará uso do que tem sido a posição pública do Governo e vai propor uma reversão salarial de apenas 20% nesse ano, contrariando a decisão do Tribunal Constitucional