Os juízes do Tribunal Penal Internacional condenaram, esta terça-feira, a nove anos de prisão o jihadista maliano Ahmad al-Faqi al-Mahdi por ter destruído em 2012 mausoléus classificados como património mundial da humanidade em Tombuctu.

O crime pelo qual foi reconhecido culpado é muito grave”, afirmou o juiz Raul Pangalangan, acrescentando: “o tribunal condena-o a nove anos de prisão”.

Um pouco antes, os juízes tinham concluído que o acusado era culpado da destruição de mausoléus na cidade maliana de Tombuctu, tendo em conta “a sua participação direta em numerosos incidentes e o seu papel enquanto porta-voz para justificar os ataques nos meios de comunicação social”.