O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, disse hoje estar convencido que Portugal e Angola têm «uma vontade muito séria de manter e reforçar os laços de cooperação», após um encontro em Joanesburgo com o vice-Presidente angolano, Manuel Vicente.

Cavaco Silva esteve hoje durante cerca de sete horas em Joanesburgo, onde, com mais de cinquenta chefes de Estado e de governo, assistiu ao memorial a Nelson Mandela, o histórico líder sul-africano falecido na quinta-feira.

Durante a sua estada, o chefe de Estado português reuniu-se com diversos governantes, entre os quais o vice-presidente angolano.

«As autoridades de Angola estão informadas e sabem que, nos termos da Constituição Portuguesa, os nossos tribunais gozam de independência, agora não podemos é permitir que as instituições portuguesas possam ser usadas como instrumentos de luta política em Angola», disse Cavaco Silva.

«A luta política em Angola é feita pelos angolanos e eu não tenho a menor dúvida que as instituições democráticas portuguesas estão determinadas e não vão deixar que alguém tente utilizá-las para a luta política que se trava num país como Angola ou Moçambique, onde irão ocorrer eleições no futuro», acrescentou.

Hoje, o Presidente português encontrou-se com o primeiro-ministro timorense, Xanana Gusmão, com o qual, disse, analisou a questão da Guiné-Bissau.

«Portugal e Timor-Leste querem que as eleições ocorram antes da cimeira da CPLP, não depois de março (de 2014), por forma a que possa ser levantada a suspensão e que o Presidente possa estar presente em Díli», disse.

Também a questão da Guiné-Equatorial, que quer aceder ao estatuto de membro pleno da CPLP, foi abordada no encontro de Cavaco Silva com Xanana Gusmão.

«Não queremos que se chegue a uma situação semelhante aquela com que nos encontrámos em Maputo (em 2012) o assunto tem que ser esclarecido antes de Díli, e não posso acrescentar mais nada», disse o Presidente português.