A seca severa que tem assolado o estado mexicano de Chiapas colocou a descoberto uma verdadeira relíquia. O templo de Quechula, mandado construir no século XVI pelos monges dominicanos, emergiu das águas do rio Grijalva.
 
A igreja imponente, com 61 metros de comprimento, está submersa desde 1966, altura em que foi construída uma barragem.

Apesar de não ser a primeira vez que o monumento reaparece à tona de água, não invalida o espetáculo que proporciona.

á 12 anos que não era possível observar tal fenómeno. Na altura chegou mesmo a realizar-se uma missa na igreja de paredes cobertas de lodo.
 


Para que a igreja fique a descoberto, o caudal do rio tem que baixar, pelo menos, 25 metros. O estado de Chiapas sofre as consequências da passagem do El Niño, que levou que chovesse muito menos naquela região, deixando a região sob efeito de seca.

Ao espetáculo do reaparecimento do templo majestoso submerso no Grijalva, somam-se consequências menos felizes. A falta de chuva pode pôr em causa o abastecimento de eletricidade a vários estados mexicanos, já que o funcionamento de uma grande central hidroelétrica pode ser posto em causa se a situação não sofrer alterações brevemente.