Tim Friede, um americano residente em Milwuakee, Winsconsin, EUA, acredita ter desenvolvido imunidade contra o veneno de uma centena de serpentes, depois de se deixar morder propositadamente por vários deste répteis e ter sobrevivido, avança o «Daily Mail».

Entre as espécies «testadas» por este desempregado de 45 anos encontra-se a «mamba-negra», uma das cobras mais perigosas do continente africano, que produz um veneno capaz de matar um humano adulto em cerca de 20 minutos.

Friede acredita que a sua «imunidade» pode contribuir para o desenvolvimento de antídotos melhores, e mais acessíveis ao público, do que os atuais provenientes de cavalos.

«Espero que ao desenvolver a minha própria resistência ao veneno, algum trabalho sólido possa ser feito para a produção de uma vacina para as 125.000 pessoas que morrem de mordidas de cobras todos os anos», contou ao Daily Mail.

«Eu tomo injeções de veneno diluídas de tempo a tempo», explicou. «Isso faz com que o meu corpo vá desenvolvendo anti-corpos capazes de agarrar o veneno e de o neutralizar para que eu não morra». «É o mesmo processo usado para produzir antídotos em cavalos, eu apenas corto essa parte. Eu tornei-me o cavalo.»

Ainda que sofra alguns dos efeitos secundários das mordidas, Friede apresenta resultados normais feitos ao fígado e rins, que provam que o seu trabalho, ainda que perigoso, não o está a prejudicar.