Sharafat Khan é proprietário de uma mansão, mas tem vivido na rua, ou melhor, no jardim da sua própria mansão, nos últimos seis meses desde que a mulher o expulsou de casa e mudou as fechaduras. Os vizinhos estão preocupados, uma vez que a saúde do homem de 69 anos está a deteriorar-se, porque tem passado os dias nas ruas de Houston, nos EUA.

“Ele veste as mesmas roupas, está sujo. Não tem casa de banho, nem sapatos”, afirmou uma vizinha, Debbie Scoggins, em entrevista à KPRC.

“O tempo está a começar a ficar mais frio. Ele está muito debilitado e não consegue sequer andar. Tenho medo que ele vá morrer aqui neste jardim”, disse outra residente do bairro, recordando que o vizinho sobre de diabetes e hipertensão arterial.


Sharafat Khan foi expulso há seis meses de casa, depois de, segundo o próprio, ter discutido com a mulher. A esposa terá então esperado que saísse de casa para mudar as fechaduras, impossibilitando-o de entrar.

Contudo, o filho de Sharafat afirma que a mãe não teve alternativa, uma vez que o pai abusava “física e psicologicamente” da mulher.

“Ele bateu na minha mãe muitas vezes e, há alguns anos, esteve preso por violência doméstica”, declarou Zain Khan.


As alegações de Zain parecem ser verdadeiras, uma vez que a polícia confirmou ter recebido mais de 30 chamadas de emergência vindas da casa de Sharafat, nos últimos seis meses.

Contudo, as autoridades afirmaram que o homem tem o direito de permanecer no jardim e que também não podem forçar a mulher a recebê-lo em casa.

“Eles estão casados, por isso trata-se de uma propriedade partilhada em comunhão”, disse Tim Dohr, do Departamento Policial de Lakeview. “Um tem tanto direito de estar lá como o outro. Não podemos obriga-lo a sair, que é o desejo dela, e não podemos obrigá-la a fazer nada em relação a ele”.


Mas mesmo estando casado, Sharafat não tem acesso a qualquer parcela do dinheiro do casal. O homem passa as noites em frente à casa, embrulhado num lençol branco, enquanto a mulher usufrui da mansão.

A esposa colocou até um cartaz junto à residência onde se pode ler: “se querem alimentá-lo, levem-no para vossa casa. Se quiserem podem mantê-lo em vossas casas. Obrigada pela vossa simpatia mas não tragam nada para esta propriedade”.

Apesar das animosidades, ambos não pretendem separar-se. Sharafat garante que não tem dinheiro para começar o processo de divórcio e a mulher não o faria por motivos religiosos.

Contudo, o homem acredita que a esposa quer continuar casada porque “não quer ter de dividir a fortuna”.