Uma equipa de cientistas do Instituto Tecnológico de Queensland, na Austrália, descobriram uma nova espécie de rato marsupial que morre... a fazer sexo. Os machos de Antechinus arktos, assim se designam os ratos recentemente descobertos, só fazem sexo uma vez na vida, mas são capazes de estar mais de 20 horas na cópula. Acabam por morrer de esgotamento sexual.

A nova espécie foi descoberta na região montanhosa de Queensland. É maior que o os ratos comuns e apresentam uma cor alaranjada nas patas, em redor dos olhos e no peito.

De acordo com os cientistas, o animal atinge a maturidade sexual com nove meses de vida. Por esta altura começa a ter sexo. Faz sexo com várias parceiras e chega a estar 20 horas em cópula com a mesma fêmea. Isto acontece porque o período de reprodução desta espécie é muito curto e cada minuto tem de ser aproveitado.

Com este investimento na atividade sexual, o ratinho fica vários dias sem dormir e passa o tempo à procura de parceiras e em atividade sexual. O corpo investe toda a energia acumulada no ato sexual e nem o sistema imunológico fica a salvo.



Se os machos não resistem a tal maratona sexual, as fêmeas não têm melhor sorte. Como têm sexo com vários parceiros e armazenam esperma de todos eles dentro do corpo, também acabam por adoecer e, geralmente, não resistem a mais do que uma estação reprodutiva.