O dono de um hotel no Tennessee que liderava a lista dos hotéis mais sujos dos Estados Unidos, segundo um ranking do TripAdvisor, não pode acusar o site de criar «rumores sem sustentação». A decisão é do tribunal depois de o homem ter aberto um processo por difamação.

Kenneth Seaton abriu um processo em tribunal reivindicando que a avaliação do Grand Resort Hotel e Centro de Convenções em Pigeon Forge era resultado de um sistema dependente de «rumores sem sustentação», com o objetivo de prejudicar o negócio, escreve a Reuters.

O tribunal de Cincinnati informou na quarta-feira que os viajantes não podem interpretar o ranking, feito através de uma votação de utilizadores dos hotéis, como um atestado de que o hotel era, de facto, o mais poluído dos EUA.

O Grand Resort fechou em novembro e foi vendido, de acordo com reportagens publicadas, mas continua no site do TripAdvisor. Entre 321 avaliações, 265 classificaram o hotel como «fraco» ou «terrível».