O Facebook bloqueou a conta do havaiano Chase Nahooikaikakeolamauloaokalani Silva e solicitou que enviasse comprovativo do nome para reativar a conta.

A rede social criada por Mark Zuckerberg enviou uma mensagem a Chase N. Silva a informar que a sua conta tinha sido temporariamente suspensa porque o seu nome Nahooikaikakeolamauloaokalani não parecia verdadeiro.





Para os ocidentais Nahooikaikakeolamauloaokalani pode soar a erro ortográfico mas no Havai é um nome comum. Numa publicação no seu perfil, entretanto reativado, Chase explica que o nome foi escolhido pela bisavó, uma nativa da ilha conhecedora dos dialetos havaianos.

«Sou um havaiano com orgulhoso e quero ver visível o meu nome completo», escreveu.





Contactado pelo «Huffington Post», o Facebook explicou que o bloqueio teve a ver com questões de segurança. «Pedimos sempre que as pessoas usem os nomes reais no seu perfil», escreveu por email Andrew Souvall.

«Nomes falsos conduzem a comportamentos errantes» nas redes sociais, disse, e «para comprovarem a veracidade dos nomes, também aceitamos outras formas de identificação para além do documento oficial», acrescentou a mesma fonte.

Recentemente o Facebook alterou a política de nomes autorizados nos perfis e quando são dúbios ou demasiado sugestivos não são permitidos. A comunidade LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transsexuais) já se insurgiu contra a empresa visto considerar que tal regra limita a divulgação do trabalho drag queen (travestis).

Silva descreve-se como um «homossexual com orgulhoso » e e por isso também não tenciona enviar a sua certidão de nascimento ao Facebook para provar o seu nome. Agora o seu perfil está identificado como Chase N Silva.

«O Facebook não tem o direito de censurar o nome das pessoas, o que o que vais comprar ou que respostas vais dar», disse Silva ao jornal norte-americano. Sobre a censura aos nomes de membros da comunidade LGBT o havaiano considera que é um «abuso» visto que em muitos casos os nomes falsos são usados para proteger a identidade das pessoas.

Para o jovem, o nome Nahooikaikakeolamauloaokalani é uma «questão de honra» e da qual não quer abdicar. Chase nasceu e cresceu em Oahu, Havai, e em 2008 mudou-se para Seattle, EUA. «Mas é deste nome que tenho orgulho», frisou.