Ter uma barriga saliente é pior para a saúde do que ser obeso ou ter excesso de peso. Um novo estudo afirma que, mesmo se uma pessoa for magra no resto do corpo, a gordura localizada no ventre aumenta a probabilidade de ter um AVC, ataque cardíaco, cancro ou diabetes.

Ter uma “barriguinha de cerveja" tornou-se algo banal, mas os cientistas alertam que é uma situação preocupante. Mesmo que o índice de massa corporal (IMC) seja normal e que a pessoa aparente ser magra, se houver gordura localizada na barriga, então deve ter cuidado com o seu peso.

Isto porque este é o tipo de gordura mais mortal que existe. De acordo com a CNN, o tipo de gordura do ventre é interna e está localizada em redor dos órgãos. Esta pode ser assimilada pelo fígado, que a transforma em colesterol e que vai entupir as artérias. Para além disto, torna o organismo resistente à insulina e pode provocar o surgimento de diabetes do tipo 2.
 

“Por vezes ouço alguns dos meus pacientes, que têm IMCs normais, a perguntar-me: ‘por que tenho de fazer exercício se tenho um peso normal? Eu devia poder comer tudo o que quisesse”, lamentou o cardiologista Francisco Lopez-Jimenez, um dos autores do estudo.


Segundo a investigação, que analisou 15.000 pessoas, os homens com barriga têm um risco de mortalidade duas vezes superior ao das pessoas com excesso de peso ou obesas. Nas mulheres o risco é 1,5 vezes maior.

Os cientistas garantem que, apesar de ser difícil diminuir o perímetro da cintura, esta não é uma tarefa impossível. Para tal é preciso comer saudavelmente, evitando comida processada, consumir carne apenas esporadicamente, apostar nos vegetais e fazer exercício.

Para além disto, estas pessoas devem evitar o stress. Alguns estudos têm mostrado uma relação entre o nível de ansiedade e o perímetro abdominal.