Joanna Leigh foi formalmente acusada de ter roubado dinheiro destinado às vítimas do atentado na Maratona de Boston em Abril de 2013. Leigh afirma, no entanto, que a acusação surge na retribuição da forma como criticou o One Fund Boston (OFB) em relação à forma como o dinheiro foi distribuído.

A mulher de 41 anos recebeu o equivalente a cerca de 37 mil euros, alegando ter sofrido uma lesão cerebral durante o ataque. As autoridades, citadas pela CNN, afirmam que a mulher recebeu um pagamento equivalente a quase 7500 euros da OFB, cerca de 1500 euros de uma coleta escolar, mais de 8 mil euros numa campanha online de solidariedade e mais de 16500 euros em benefícios do fundo de compensação Massachusetts Victims for Violent Crime (MVVC).

Apesar de ninguém dúvidar de que a mulher se encontrava na maratona de 15 de abril, em que ocorreu o ataque, a polícia de Boston afirma que a Leigh não sofreu qualquer ferimento com o ataque.

«Quando ela começou a fazer essas afirmações, ela retratou-se como uma "heroína" que correu de encontro à segunda explosão», disse fonte oficial à CNN.

Só duas semanas depois do ataque é que Leigh procurou apoio e tratamento médico. Apesar disso, Leigh defende que a forma como criticou o OFB é que está na origem de ter sido acusada.

Leigh e outras vítimas do atentado reclamam que a compensação não foi adequada devido à forma como os pagamentos são calculados. Se o ferimento não requereu a permanência no Hospital, a vítima recebia 7500 euros, quando os ferimentos eram mais graves levando à hospitalização da vítima, esta recebia mais de 115 mil euros.

Joanna Leigh vai ser presente a um juíz e já afirmou que vai declarar-se inocente.

Nesta altura, Dzhokar Tsarnaev começa a ser julgado pelo atentado que matou três pessoas e provocou ferimentos a mais de 260 pessoas.