Dezenas de casais suspeitos de «atos de intimidade» foram detidos no Dia de São Valentim em várias cidades da Indonésia, noticia o jornal «The Jakarta Globe».

As autoridades, preocupadas com a moralidade dos residentes, patrulharam as cidades de Surabaya, Pontianak e Malang no sábado, intrometendo-se nos encontros amorosos que decorriam em quartos de hotel.

Em Surabaya, onde o autarca Tri Rismaharini declarou guerra ao Dia dos Namorados, a polícia e membros da agência de segurança pública, ou Satpol PP, fizeram rusgas em 22 hotéis e detiveram 189 amantes solteiros até às 19 horas locais.

«O presidente da câmara instruiu (os residentes) para não usarem o Dia de São Valentim para fazerem coisas indecentes», disse Irvan Widyanto, chefe da Satpol PP de Surabaya, ao informaram que os detidos foram enviados para um centro social onde permaneceram no fim de semana.

Em Pontianak, as autoridades estiveram ocupadas a detetar namorados em West Kalimantan. «Detivemos cerca de 15 casais a praticarem atos imorais», disse o chefe da polícia de Pontianak, Haryadi S. Tribowo, ao Tribunnews.com.

«Também detivemos 14 menores e quatro pessoas sem documentos de identificação. No total, cerca de 50 pessoas», acrescentou.

Outros 15 casais foram detidos em Malang, na ilha de Java, segundo o portal Beritajatim.com. «Realizámos buscas em pensões nos distritos de Lawang e Kepanjen», disse Ainun Djariah, da polícia de Malang. «Alguns eram estudantes e não tinham sequer os documentos de identificação».

Jovens casais, solteiros em particular, incorrem no risco de detenção a cada Dia dos Namorados, quando as autoridades lançam operações para reprimir os encontros românticos.

O Conselho Indonésio dos Ulemas, ou MUI, a mais alta autoridade islâmica da Indonésia, diz que os jovens que todos os anos celebram o Dia de São Valentim podem cometer promiscuidade e outros atos que não estão em conformidade com a sua interpretação dos ensinamentos religiosos.