A síndrome do ovário policístico (SOP) é a causa mais importante de infertilidade feminina e um dos problemas hormonais mais comuns. Como consequência, o crescimento de pelos no corpo da mulher é maior. Em agosto, um grupo de mulheres vai deixar de fazer a depilação debaixo dos braços e aceitar os pelos para consciencializar a população.

A organização Armpits4August (axilas para agosto), composta por mulheres portadoras da SOP, pretende angariar fundos e promover a consciencialização da síndrome junto de todos.

Para as mulheres hirsutas, enfrentar o excesso de pelos no corpo, incluindo peito, barriga e costas, é um problema. Crescem pelos grandes e grossos, revelando uma certa masculinidade, refere o «The Guardian», que dá o exemplo de uma mulher vítima do síndrome.

Cat Gray, que sofre da SOP e dos excesso de pelos, diz que está cansada da pressão para se depilar. Aceitou o desafio proposto de suspender a prática de depilação durante um mês.

Desde que recebeu o diagnóstico da sua doença, Gray aprendeu a viver com o problema. «Não tem sido fácil porque não existe cura médica», diz ela, acrescentando ainda que viu-se obrigada a controlar a alimentação para reduzir o crescimento de pelos.

«Algumas coisas não podem ser mudadas, mas o facto de ver outras mulheres que expõem a sua condição e são lindas na mesma convenceu-me de que as atitudes podem e vão mudar», conclui.