A mulher foi internada, no dia 24 de abril, num hospital privado de Amã, na Jordânia, para realizar uma cesariana. Depois do recobro, regressou a casa.

"A minha filha tinha muitas dores e não conseguia mexer-se. Levei-a de volta para o hospital onde foi tratada, mas sem sucesso", afirmou a mãe, Majeda Hamid, em declarações ao jornal Gulf News Jordan, citado pelo Mirror. 

O porta-voz do Ministro da Saúde da Jordânia, Hatem Al Azrae afirmou que a história da Hanan é "infundada e fabricada", mas a oposição pede a demissão do clínico.