Completamente de rosa, é assim que a inspetora brasileira Katherine Cramer sai às ruas para prender aqueles que vão contra a lei.

Pretende mostrar o lado feminino da Polícia Civil do Brasil e para isso escolheu o cor-de-rosa como a cor de afirmação. Quem não simpatiza muito com esta novidade são as pessoas que prende com as algemas cor-de-rosa.

Algemas, arma, distintivo, bloco de notas, telemóvel, spray de gás pimenta, camisola da polícia, entre outros, são alguns dos seus itens, totalmente rosa, que já conquistaram os seus colegas de trabalho, que ofereceram muitos destes elementos, mas que ofendem alguns dos detidos.

Para Katherine Cramer, o rosa é uma forma de afastar o ar hostil das esquadras e trazer alguma harmonia, não só aos trabalhadores, como às vítimas, que se sentem mais a vontade para expor os seus casos.

O rosa quebra o ambiente frio da esquadra. A vítima, a família, sempre chegam abalados. As pessoas relaxam, comem um doce rosa, tomam um cafezinho. Sentam-se no pufe e contam a sua vida”, disse, em entrevista à Globo.

Nem sempre foi assim. No início da carreira, muitos duvidavam da sua competência ao ver o seu material de trabalho, mas ela tem provado as suas capacidades e marcado a diferença.