Como se os assentos ao pé da janela não fossem já bastante requisitados entre os passageiros aéreos, os cientistas dizem agora que sentar-se junto ao corredor nos deixa mais expostos aos germes. É que quem fica nesses assentos corre mais risco de ficar doente porque o corredor deixa os passageiros mais perto das pessoas que vão e voltam da casa de banho, indica um estudo realizado nos EUA.

De acordo com uma pesquisa efetuada pelo especialista em doenças infeciosas Chuck Gerba, microbiologista da Universidade do Arizona, as pessoas tendem a tocar nos assentos do corredor «quando circulam pelo avião para manter o equilíbrio, aumentando o risco de contaminação».





O «Daily Mail» refere que Chuck Gerba fez um estudo de caso com um incidente que ocorreu em 2008 num voo entre Boston e Los Angeles. Um grupo de turistas que estava no aparelho contraiu norovírus, um tipo de vírus transmitido através da ingestão de alimentos crus manipulados por mãos infetadas. Vómitos, diarreia e febre eram sintomas tão fortes que o avião teve de aterrar de urgência em Chicago para que os passageiros fossem socorridos num hospital.
 
O Centro de Controlo e Prevenção de Doenças entrou depois em contacto com os passageiros infetados para descobrir como o vírus se espalhou pelo avião: descobriu que a maioria deles estava em assentos no corredor.




 
Chuck Gerba recomenda por isso que as pessoas optem, sempre que possível, pelas cadeiras que ficam mais perto da janela. O cientista aconselha ainda os passageiros a evitarem o mais possível usar a casa de banho, já que ela é utilizada por dezenas de pessoas, mas não é limpa durante o voo.
 

«A casa de banho é o sítio com mais germes com que se vai deparar», afirmou o microbiologista. «Há muito tráfego e ninguém a limpa», explicou.

 
Chuck Gerba disse também que os passageiros dos aviões deviam evitar utilizar a bandeja presa ao assento da frente e que se dobra para baixo, a não ser que a tenham limpo por completo. O investigador descobriu que essas bandejas contêm níveis preocupantes de bactérias e vírus, incluindo o da gripe e norovírus.
 

«As bandejas têm muitas vezes um grande número de bactérias, porque não são comumente desinfetadas e limpas entre cada voo», explicou o microbiologista, que comparou o comer numa bandeja dessas a comer em cima da tampa de uma sanita.


Chuck Gerba aconselhou os passageiros a terem sempre à mão produtos como álcool em gel e lenços humedecidos.