Um grupo de investigadores norte-americanos descobriu que as pessoas com olhos azuis têm maior probabilidade de se tornarem dependentes de álcool do que as pessoas com olhos escuros.

O estudo, feito na Universidade de Vermont e o primeiro deste género, associa também a cor dos olhos a muitas outras doenças psicológicas e distúrbios comportamentais.

Arvis Sulovari, o cientista que coordenou a investigação publicada no «American Journal of Medical Genetics», mostrou-se surpreendido com os resultados.
 

«Estamos perante uma possibilidade intrigante: a cor dos olhos pode agora ser utilizada em diagnósticos de dependência de álcool».


Os investigadores concluíram que os euro-americanos com olhos de cores claras, como verde, cinzento e castanho claro, têm maior probabilidade de se tornarem alcoólicos do que as pessoas com olhos de cor castanha escura. Ainda assim, os indivíduos com olhos azuis são aqueles com a maior probabilidade de se tornarem dependentes de álcool.

A descoberta é justificada com o facto de as componentes genéticas que determinam a cor dos olhos se alinharem no mesmo cromossoma que os genes relacionados com o uso excessivo de álcool.

O estudo foi realizado com dados recolhidos em 10 mil pessoas, a maior parte afro e euro-americanos diagnosticados com doenças psiquiátricas.

Dos 10 mil indivíduos, os cientistas selecionaram cerca de 1200 com dependência alcoólica. Depois, foram cruzados dados sobre género, idade, contexto cultural e geográfico e dados genéticos.
 

«É incrível a ligação entre a estatística, a informática e a biologia. É uma oportunidade para estudar o genoma humano num contexto de doenças complexas».