«Tem de haver aqui mão do diabo»

Populares conseguem apagar fogos em Barcelos

Por: Redação / CP    |   28 de Março de 2012 às 10:05
A população de Aldreu, Barcelos, passou a última noite acordada, a combater um incêndio florestal que lavrava com grande intensidade, e a sua intervenção revelou-se decisiva para evitar que algumas casas fossem devoradas pelas chamas.

O alerta para «um enorme incêndio que estava mesmo em cima das casas» começou a soar nos telefones e telemóveis dos moradores cerca das 2h00 e rapidamente a população saiu à rua, com tratores, cisternas, mangueiras e até galhos de árvores, para acudir aos vários pedidos de alerta.

A casa de Filomena foi uma das que correu maior perigo, com o fogo a chegar mesmo ao pé da porta, mas os populares conseguiram-na salvar.

No local, naquele momento, não havia um único bombeiro, já que as solicitações eram muitas e os soldados da paz «não chegavam para as encomendas».

«Nunca vi nada assim na minha vida, foi uma aflição tão grande, tão grande, tão grande», desabafava Filomena à Agência Lusa.

A população lá foi conseguindo acudir todos os fogos, evitando que as chamas atingissem qualquer habitação.

«Isto tem de haver aqui mão criminosa, é muito fogo ao mesmo tempo, tem de haver aqui mão do diabo», atirava Carlos, com um grande galho de árvore na mão, a «arma» que encontrou para abater o «fogo inimigo».

O cenário era impressionante e repetia-se nas freguesias vizinhas, como Fragoso, Palme, Feitos, Vilar do Monte e outras, onde a população saiu igualmente à rua, em alguns casos após ouvirem os sinos tocar a rebate, para ajudar a centena de bombeiros presentes no terreno.

O incêndio começou pelas 14h00 de terça-feira, na zona de Tamel S.Fins, e propagou-se rapidamente, tendo ainda duas frentes ativas.

A EN-103, que liga Barcelos a Viana do Castelo, chegou a estar cortada ao trânsito, por causa das chamas e do fumo.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Incêndio em Rangum faz 16 mortos - EPA/NYEIN CHAN NAING
Incêndio em Rangum faz 16 mortos - EPA/NYEIN CHAN NAING
COMENTÁRIOS

PUB
Demissão em bloco na urgência do Garcia de Orta

Sete chefes de equipa enviaram carta ao conselho de administração do hospital de Almada. Médicos alegam como motivos da demissão o «agravamento das condições de trabalho», bem como «o risco do ato clínico» e «a segurança dos doentes», que «atingiu um ponto crítico e inaceitável» no serviço de urgência. Duas das oito mortes registadas no início deste ano foram neste hospital