logotipo tvi24

Kim Jong-Un tinha amigo português

Un Pak, como era conhecido, era reservado, não saía à noite e adorava os Chicago Bulls

Por:
   |   2011-12-19 09:09

Texto escrito a 2 de Outubro de 2010

E se de repente descobrisse que o seu melhor amigo dos tempos de adolescente era o futuro líder da Coreia do Norte, Kim Jong-Un? Foi isso mesmo que aconteceu a um português. A TVI descobriu o seu paradeiro e falou com ele ao telefone.

Actualmente a residir na Áustria, João Micaelo, de 26 anos, nasceu em Cabeço de Vide, Portalegre e emigrou com os pais, ainda pequeno, para a Suíça. Quis o destino que durante três anos o seu colega de carteira, na escola que frequentou em Liebefeld, fosse o filho do actual líder da Coreia do Norte, Kim Jong-il e o provável sucessor de seu pai.

João nunca suspeitou da verdadeira identidade do seu melhor amigo e recorda como o conheceu. «Foi no princípio do sexto ano, o professor disse que tínhamos uma pessoa nova na escola. Ele disse que se chamava Un Pack e os pais dele foram apresentados como os embaixadores da Coreia do Norte», conta à TVI.

«Como eu tinha um espaço livre ao meu lado, ele sentou-se e, a partir daí, começámos a ser os melhores amigos», continua. «Saíamos juntos, eu ia a casa dele e ele à minha. Faziamos desporto, os deveres ou viamos filmes».

Os dois adolescentes partilharam muitos segredos, mas João nunca desconfiou de nada. E nem no dia que Un Pak que lhe confessou que era filho do ainda líder da Coreia do Norte e mostrou uma foto, acreditou ser possível.

«Ele disse-me e eu não acreditei. Fiquei naquela... estávamos numa escola normal. As pessoas assim vão para escolas privadas ou colégios», relembra. Na foto que viu estavam três pessoas: Un Pak, o embaixador e Kim Jong-il. «Pensei que tinha tirado a foto numa festa. Era possível, já que o seu pai era diplomata», afirma.

Todavia, no Verão do ano passado foi contactado por jornalistas a pedir uma entrevista. «Não me explicaram sobre o que era, mas eu fui», conta.

Actualmente é «chef de cozinha» na Áustria e aproveitou a viagem para visitar os pais. Após alguns minutos de conversa com os jornalistas, estes mostraram-lhe uma fotografia da sua turma, entre o sexto e o nono ano.

Apontaram para um rapaz e perguntaram se o conhecia. «Sim. É o Un Pack, andou comigo na escola. Éramos os melhores amigos», respondeu intrigado.

Logo depois, questionaram-no sobre o que achava de «ele» poder ser o próximo líder da Coreia do Norte. «Aí percebi. Encaixava tudo». Até a forma apressada como Un Pak deixou a escola: «Disse-me que o seu pai, o embaixador, precisava de partir e que ia regressar à Coreia. Achei estranho, porque só faltavam três meses para o ano escolar acabar».

De Un Pak só tem boas memórias e descreve-o como «tranquilo, reservado e um pouco tímido». De resto, «era igual aos outros. Tinha boas notas, gostava de fazer desporto, era muito competitivo, e tinha uma namorada. Só não saía à noite».

Apesar de ser filho do líder do regime comunista da Coreia do Norte, Un Pak não era indiferente à cultura norte-americana. Era fanático por basquetebol e vestia roupas de marca. «Para ele só existia basquetebol, o restO nem interessava. A equipa favorita dele era os Chigaco bulls e o jogador favorito era o Michael Jordan», conta à TVI.

João não fala com Un Pak há dez anos, mas gostava de recordar os velhos tempos. Só não sabe se o amigo, agora na sucessão para liderar a Coreia do Norte, ainda gosta das mesmas coisas que nos tempos de adolescente. Confessa ainda que não sabe se aceitaria um convite para viajar até ao país do seu «ex-melhor amigo».

Partilhar
FOTOGALERIA:
Kim Jong-il

Kim Jong-un EM CIMA: Kim Jong-un

Milhares no último adeus a García Márquez
Com flores e música
Novo retrato real: esta Isabel II é para turista ver
Campanha de marketing do Governo britânico para promover o Reino Unido
Incêndio gigante envolve Leeds em nuvem de fumo
Começou de madrugada, numa fábrica de químicos
EM MANCHETE
Queda de muro em Braga mata três universitários
Estudantes eram todos caloiros. «Guerra de cursos» terá estado na origem do acidente
Execução orçamental: défice cai, mas despesa aumenta
Passos quer «fazer a função pública respirar»