logotipo tvi24

Soares diz que primeira missa do patriarca foi «uma vergonha»

Antigo presidente da República considera «incompreensível» que D. Manuel Clemente tenha deixado que Cavaco e Passos fossem aplaudidos

Por: Redacção / CM    |   2013-07-09 16:09

Mário Soares diz que a primeira missa do novo patriarca de Lisboa foi «um escândalo e uma vergonha».

Num artigo de opinião no Diário de Notícias, o antigo presidente da República considera «incompreensível» que D. Manuel Clemente tenha deixado que os políticos presentes na igreja dos Jerónimos, particularmente Cavaco Silva e Passos Coelho, fossem aplaudidos.

Soares acrescenta mesmo que a missa da entrada solene do novo patriarca realizada domingo passado foi instrumentalizada pelo Governo.

«A presença do presidente da República, nada discreta, de Passos Coelho e de Paulo Portas e mais a claque dos capangas que lá puseram para bater palmas (...) resultou num escândalo. Direi mesmo que foi uma vergonha que, infelizmente, o vai marcar negativamente perante os católicos, sem falar dos leigos, como eu, que se lembram dos tempos em que o fascismo utilizava a religião», escreveu o socialista.

«Uma igreja como o Mosteiro dos Jerónimos é um local sagrado, não é um lugar próprio para esse tipo de manifestações políticas», defendeu ainda o ex-chefe de Estado.

Partilhar
Mais sobre este tema
EM BAIXO: Mário Soares em conferência sobre 2 anos da Troika (Reuters)
Mário Soares em conferência sobre 2 anos da Troika (Reuters)

Durão Barroso lamenta morte de Gabriel García Márquez
Para o presidente da Comissão Europeia, o escritor foi «uma voz da América Latina e do mundo»
EDP ameaçou cortar eletricidade nos edifícios da Câmara de Aveiro
Autarquia tem dívida de 1,1 milhões de euros
John Boehner elogia parceria entre EUA e Portugal
Presidente da Câmara dos Representantes do Congresso norte-americano realça parceria a nível bilateral e das grandes organizações internacionais
EM MANCHETE
Morreu Gabriel García Márquez
Escritor colombiano, vencedor do Prémio Nobel em 1982, morreu aos 87 anos. Um dos maiores autores do século XX deixa ao mundo muito mais que «Cem anos de Solidão»
Gabriel García Márquez será cremado em cerimónia privada
O que García Márquez escreve sobre o 25 de Abril