Um aluno da Universidade de Vila Real está a desenvolver tecnologia para aplicação na medicina veterinária, criando modelos virtuais do osso que depois de impressos em três dimensões (3D) ajudam a planear cirurgias complexas em animais.

João Pedro Bordelo, 25 anos, dedicou a sua tese de mestrado em medicina veterinária na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) ao trabalho “Aplicação da tecnologia de prototipagem rápida no estudo pré-cirúrgico em ortopedia veterinária”.

A prototipagem rápida é uma tecnologia usada para fabricar objetos físicos a partir de projetos virtuais.

“Usada sobretudo para conceção rápida de protótipos na área da engenharia, nos últimos anos tem sido aplicada de forma experimental às áreas médicas de ortopedia e medicina estomatológica dentária”, afirmou hoje, em comunicado, João Bordelo.


A dissertação de mestrado resultou de um estágio desenvolvido em centros de medicina veterinária na cidade de Paris, onde foi avaliada a utilidade da aplicação desta tecnologia em casos clínicos de ortopedia veterinária, com tratamento cirúrgico complexo.

“A partir do exame imagiológico, foram reconstruídos protótipos virtuais tridimensionais (3D) das estruturas ósseas de interesse e posteriormente concebidos protótipos físicos que auxiliaram na realização do estudo pré-cirúrgico”, salientou.

Ou seja, através desta tecnologia, são feitos modelos virtuais do osso que precisa de ser reparado e que depois de impresso em 3D, ajuda o cirurgião a estudar a melhor forma de implementar no animal. O estudo prévio permite-lhe verificar se as próteses estão adaptadas ao respetivo caso.

O responsável explicou que os protótipos em 3D são produzidos em plástico termorresistente o que permite ao cirurgião proceder a uma “simulação cirúrgica, rigorosa e em tempo útil”, com “diminuição significativa do risco transcirúrgico e melhorando o bem-estar pós-cirúrgico nos animais”.

Carlos Viegas, docente e investigador da UTAD e orientador desta tese de mestrado, disse que se está a verificar uma crescente “importância da aplicação da prototipagem rápida no planeamento de cirurgias complexas”.

Esta técnica, na sua opinião, “conduz à diminuição dos tempos anestésico e cirúrgico, possibilitando uma recuperação mais rápida e favorável do animal e a emissão de um prognóstico mais favorável, muitas das vezes com economia de meios”.

A investigação de João Bordelo já foi apresentada em vários eventos científicos, nacionais e internacionais e esteve na origem da criação de uma empresa, que fornece “serviços tecnologicamente avançados e inovadores na área da medicina”.

“Temos sido procurados por várias empresas nacionais e internacionais interessadas nos nossos protótipos 3D e também físicos, estando a empresa em franco desenvolvimento”, salientou o investigador.