A propósito do filme mais visto da última semana, «O Hobbit: A Desolação de Smaug», o Cinebox entrevistou Luke Evans, que faz a sua estreia na trilogia interpretando a principal personagem humana no filme.

«Foi interessante porque [o Bard] é o único personagem humano no filme, por isso foi interessante contracenar com todas as diferentes criaturas e espécies que [o Peter Jackson] mistura. Foi muito divertido», explicou Evans.

O ator britânico de 34 anos já participou em outros filmes de fantasia e de fantástico, mas assegura que «O Hobbit» «é unico»: «Os designers conseguiram mesmo captar o sentido do trabalho de [J.R.R.] Tolkien, as suas descrições e lugares, e deram-lhes vida. É [um mundo] muito particular nesse sentido».

Nos últimos anos, Luke Evans tem estado ligado a vários papéis bastante físicos, desde «Os Três Mosqueteiros» até «Os Imortais», passando por «Velocidade Furiosa 6».

O ator admite que é um tipo de performance que aprendeu a gostar, interpretando as suas próprias cenas de ação sempre que possível. E o seu próximo filme, sobre Vlad Tepes - o homem que inspirou os contos sobre o Conde Drácula -, será o mais fisicamente exigente da sua carreira.

«É a história sobre a origem do Drácula. Não é o Dráculo de Bram Stoker, que todos conhecemos bem. É sobre o homem por detrás da lenda fictícia, Vlad Tepes, que viveu durante o século XV. E vemos como ele se transforma naquela criatura. Foi a coisa mais física que já fiz», contou Luke Evans.