Associações de trabalhadores independentes espanholas apelaram esta terça-feira ao Governo para que adopte medidas urgentes para travar o desaparecimento de microempresas, que este ano atingiu o nível de mil diárias.

Segundo a Federação Nacional de Associações de Trabalhadores Autónomos (ATA) desde o início do ano já se fecharam 55.317 microempresas, sendo que os trabalhadores por conta própria não tem direito a qualquer apoio no desemprego, escreve a Lusa.

«É uma situação preocupante e agravada pela falta de medidas do governo que está a pintar a fachada e a deixar que o edifício se derrube», disse Lorenzo Amor, presidente da ATA.

Também Sebastián Reyna, secretário-geral da União de Profissionais e Trabalhadores Autónomos (UPTA) reivindicou do Governo um plano de urgência para salvar o comércio minorista familiar.

Medidas, insistiu, que devem assegurar um sistema de abandono da actividade planeado e abordando uma profunda reestruturação do sector, com medidas financeiras e melhoria da competitividade dos pequenos negócios.

UPTA apela ainda a que as autarquias recorram aos pequenos negócios em alguns dos projectos aprovados no âmbito do fundo de investimento local - oito mil milhões de euros canalizados para as câmaras para estimular a economia.