logotipo tvi24

Que tal ver um filme no YouTube?

Produtoras começam a fazer acordos. Disney , MGM, Universal e Warner Bros podem ser as próximas

Por: Redacção / CP    |   2008-07-18 12:15

Vai passar a ser possível assistir a séries e filmes inteiros no YouTube. As produtoras Lionsgate e TiVo estão a ultimar os pormenores dos acordos que vão assinar com o YouTube para distribuição dos seus conteúdos na Internet, refere o El País.

A Lionsgate vai ter um canal exclusivo no YouTube para exibição das suas séries, enquanto a TiVo vai proporcionar a exibição de filmes como «Dirty Dancing», «Crash», «Hotel Ruanda» e «Rambo» na Internet.

Estes acordos têm a curiosidade de significar o primeiro apoio de uma produtora audiovisual ao distribuidor de vídeos, uma vez que este sector se insurgiu muitas vezes contra essa mesma distribuição, por considerar que constituía uma violação dos direitos de autor.

YouTube poderá ultrapassar a própria televisão

«Podes aplicar a estratégia de lutar numa guerra interminável a tentar acabar com o YouTube ou podes aplicar a estratégia de aceitar que as pessoas querem ver os conteúdos desta maneira», disse o presidente da Lionsgate, Curt Mavis, ao The Hollywood Repórter.

Os 68 milhões de visitantes mensais do YouTube começam, desta forma, a atrair as grandes produtoras. Já há mesmo sinais de que a Disney, a MSM, a Universal e a Warner Bros também já estão a dar passos nesse sentido.

No entanto, a questão dos direitos de autor persiste, pelo que o gerente da TiVo, Tara Miatra, propõe que se distribuam conteúdos exclusivos no YouTube: «Chegará um dia em que as pessoas vão preferir ver os vídeos do YouTube do que os programas de televisão».

Partilhar
EM BAIXO: CRASH
CRASH

«Melhor do que Falecer» para iPhone e iPad chega ao top
Ricardo Araújo Pereira a seguir ao «Jornal das 8», na TVI
Google compra fabricante de «drones» Titan Aerospace
Aquisição destina-se a ampliar os esforços da empresa para expandir o acesso à Internet
Lua vermelha: o eclipse pelo mundo
Fenómeno registou-se esta madrugada
EM MANCHETE
Corte não será tão grande como a CES
Em entrevista, Passos Coelho pouco revela sobre medidas futuras, mas admite aliviar cortes em 2016. PM não promete baixar IRS e recusa ser responsável pelo aumento da pobreza
«Primeiro-ministro fugiu a dar respostas concretas»
«Se agora conseguem poupar, por que foram ao osso?»