Que tal ver um filme no YouTube?

Produtoras começam a fazer acordos. Disney , MGM, Universal e Warner Bros podem ser as próximas

Por: Redação / CP    |   18 de Julho de 2008 às 12:15
Vai passar a ser possível assistir a séries e filmes inteiros no YouTube. As produtoras Lionsgate e TiVo estão a ultimar os pormenores dos acordos que vão assinar com o YouTube para distribuição dos seus conteúdos na Internet, refere o El País.

A Lionsgate vai ter um canal exclusivo no YouTube para exibição das suas séries, enquanto a TiVo vai proporcionar a exibição de filmes como «Dirty Dancing», «Crash», «Hotel Ruanda» e «Rambo» na Internet.

Estes acordos têm a curiosidade de significar o primeiro apoio de uma produtora audiovisual ao distribuidor de vídeos, uma vez que este sector se insurgiu muitas vezes contra essa mesma distribuição, por considerar que constituía uma violação dos direitos de autor.

YouTube poderá ultrapassar a própria televisão

«Podes aplicar a estratégia de lutar numa guerra interminável a tentar acabar com o YouTube ou podes aplicar a estratégia de aceitar que as pessoas querem ver os conteúdos desta maneira», disse o presidente da Lionsgate, Curt Mavis, ao The Hollywood Repórter.

Os 68 milhões de visitantes mensais do YouTube começam, desta forma, a atrair as grandes produtoras. Já há mesmo sinais de que a Disney, a MSM, a Universal e a Warner Bros também já estão a dar passos nesse sentido.

No entanto, a questão dos direitos de autor persiste, pelo que o gerente da TiVo, Tara Miatra, propõe que se distribuam conteúdos exclusivos no YouTube: «Chegará um dia em que as pessoas vão preferir ver os vídeos do YouTube do que os programas de televisão».
PUB
EM BAIXO: CRASH
CRASH
COMENTÁRIOS

PUB
«O Estado é um padrinho que acompanha o cidadão até à morte»

Henrique Medina Carreira considera que «a despesa social» é o grande problema dos últimos 50 anos em Portugal. Se analisarmos as despesas públicas e os níveis de fiscalidade, entre 1960 e 2010, verificamos que a despesa social «é aquilo que adoeceu, e adoeceu por irresponsabilidade política». Para o comentador da TVI24 o país nunca antecipou os problemas que podiam advir de um crescimento excessivo das despesas sociais porque estas são uma forma de compra de voto.