Se fizer uma busca no Google por imagens do corpo humano, como mãos, pernas e rostos, verá que os resultados são maioritariamente de caucasianos.
 
Uma escolha “por defeito” do motor de busca que uma designer de Estocolmo pretende alterar. Para tal, a jovem Johanna Burai criou a World White Web, um projeto de final de curso com vista a resultados mais heterogéneos.
 
“É um claro exemplo de como a norma do branco se manifesta, por ser considerada neutra. Os resultados das buscas de imagens no Google são apenas um exemplo de como ser branco é a regra na sociedade. A maior parte das pessoas opta por fechar os olhos aos privilégios recebidos apenas por serem brancas, tal como o fazem perante pessoas que são alvo de racismo no dia a dia”, afirmou a estudante de Design, citada pelo The Independent.
 
E como pretende ela alterar os resultados do Google? De modo muito simples, ou seja, fazendo com que as imagens que selecionou subam nos rankings de pesquisa do motor de busca. Escolheu, nesse sentido, seis imagens de mãos não caucasianas que, ao serem selecionadas e partilhadas nas redes sociais através do site World White Web, podem aparecer em destaque na pesquisa do Google devido ao elevado número de partilhas.
 
“Partilhar as imagens no Facebook, Pinterest e Twitter pode impulsionar o ranking no Google”, apela Johanna Burai.