As universidades também potenciam o empreendedorismo empresarial. Na Universidade do Minho, uma incubadora de empresas de alta tecnologia ajudou a criar até agora 500 postos de trabalho. São projetos que geram milhões de euros para a economia nacional

A incubadora Spin Park, nas Caldas das Taipas, acolhe 70 empresas tecnológicas e é a prova de que as universidades não se esgotam na formação de alunos e na investigação, são também motores de empreendedorismo.

Nesta incubadora, o conhecimento científico passa do mundo académico para o real através de empresas spin-off, que depois crescem e dão o salto para outro patamar: podem ir embora ou ficar no centro tecnológico. Um centro onde encontramos, por exemplo, a Stemmaters, especializada em Medicina Regenerativa.

A Stemmatters nasceu do laboratório de investigação da Universidade do Minho, que conta com 120 investigadores. É, no fundo, o braço empresarial do avanço tecnológico e de ponta do conhecimento ali desenvolvido: criação de tecidos e cartilagem a partir de células estaminais. Desde 2010 que na Stemmatters trabalham em permanência 11 pessoas.

No Ave Park há 70 empresas, todas da área do conhecimento e da inovação tecnológica, todas com um elo de ligação, mais ou menos forte, à partida ou à chegada com a universidade.