Uma investigação da Universidade de Middlesex, no Reino Unido, verificou que uma em cada cinco pessoas, caso tivesse a oportunidade, não se importaria de ter relações sexuais com um robô.

De acordo com o «Huffington Post», um estudo que envolveu mais de duas mil pessoas revelou que 46 por cento dos participantes consideram que a tecnologia está a progredir rapidamente, e pelo menos 33 % acredita que os robôs irão um dia poder substituir soldados, polícias e professores.

«Parece que chegou um momento em que as pessoas preferem fazer sexo com algo que sabe exatamente o que está fazendo, que sabe como vai reagir e quanto tempo vai durar», disse um dos participantes.

«Mas isso elimina a emoção da incerteza de estar com uma pessoa e o risco de correr tudo mal, que acaba por ser importante», acrescentou.

Para além de muitas pessoas admitirem que teriam relações sexuais com um robô, 46 por cento dos entrevistados não julgariam.