Há muito que empresas como a Samsung e a LG andavam à procuram uma bateria eficaz, estável e que fosse também flexível. Chega de procurar, está feito.

Cientistas na Coreia do Sul conseguiram desenvolver a primeira bateria de lítio «dobrável» do mundo. Significa isto, que os telemóveis flexíveis, estão, também, muito perto de serem uma realidade de mercado.

O «milagre» é possível, graças a um polímero líquido que não sofre com as variações de temperatura, como as baterias de lítio convencionais, como explica Lee Sang Young, professor do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Ulsa.

«Ela contém um material de alto desempenho em termos de resistência térmica e flexibilidade mecânica. E é por isso que não há quaisquer riscos de segurança - não incha, não explode - mesmo quando exposta a altas temperaturas. E a bateria funciona dobrada, ou até amassada, porque foi desenvolvida para ser flexível».

Para a indústria da eletrónica de consumo, pode ser uma revolução no design das baterias. Os ecrãs flexíveis têm sido anunciados por toda a parte como a «next big thing», mas na verdade tudo o que nos tem sido mostrado continua a precisar de uma fonte de energia externa. Não houve até agora uma bateria que se pudesse dobrar junto com os ecrãs.

«Criámos de raiz toda a tecnologia essencial para uma tal bateria. É uma fonte de energia essencial para o futuro do wearable computing», afirmou o professor.

Lee está ansioso, as tecnológicas estão ansiosas, nós estamos ansiosos. A partir de agora, tudo é possível.

Veja mais em NXT - o próximo passo