A nossa galáxia poderá ter um túnel que permita um sistema de transporte galático, ou seja, que permita viajar através do tempo e do espaço. A conclusão é de um novo estudo de cientistas italianos, norte-americanos e indianos que foi publicado na revista científica «Annal of Physics».

Se viu o filme «Interstellar», muito provavelmente recorda-se do termo  worrmhole , uma espécie de atalho espacial que permitia às personagens viajar para outra dimensão. Pois agora, a ficção pode mesmo passar a realidade, uma vez que este grupo de investigadores considera que um  wormhole  pode muito bem existir na Via Láctea.

O estudo partiu da análise da teoria da relatividade, de Albert Einstein. As equações desenvolvidas pelo cientista foram combinadas com um mapa detalhado da distribuição de matéria escura (que representa a maior parte da matéria existente) na Via Láctea.

«Se unirmos o mapa da matéria escura na Via Láctea com o modelo mais recente do Big Bang e teorizarmos a existência de túneis de espaço-tempo, o que obtemos é a teoria de que nossa galáxia pode realmente conter um desses túneis e ele pode ser do mesmo tamanho da própria galáxia», afirmou Paolo Salucci, um dos autores do estudo e astrofísico da Escola Internacional de Estudos Avançados de Trieste, à BBC.


A equipa de cientistas vai mais longe e admite que até pode ser possível viajar através desse túnel. 

Salucci salientou, no entanto, que as conclusões do estudo são hipóteses e, para já, ainda não podem ser comprovadas. O que se pode dizer é que «segundo os modelos teóricos, essa hipótese é possível». 

Este tipo de túneis espaciais é um conceito hipotético na física, mas que desperta o interesse dos cientistas há muito tempo. No entanto, o ano passado ganhou um grande destaque com a estreia do filme de Christopher Nolan «Interstellar».