A Google tem defendido a utilização dos carros autónomos, mas, agora que o Lexus da gigante norte-americana provocou um acidente com um autocarro, a empresa admite ter de rever o software utilizado nos carros.

Num relatório divulgado pela Reuters, a gigante norte-americana explica que o acidente aconteceu em Mountain View, Califórnia, a 14 de fevereiro, quando o carro sem condutor, o Lexus RX450h, contornava uns obstáculos na estrada, alguns sacos de areia.

O carro seguia a pouco mais de cinco quilómetros por hora, mas não conseguiu evitar o embate com o autocarro municipal, cuja velocidade estaria próxima dos 15 quilómetros por hora. Aos reguladores da Califórnia, a Google referiu que ambos os veículos tinham-se cruzado na estrada e o carro sem condutor "acreditou" que o autocarro iria abrandar para o deixar passar, mas não foi isso que aconteceu.

Google assume (alguma) responsabilidade

Quando o Lexus iniciou a manobra, chocou com a lateral do autocarro causando danos no para-lamas dianteiro esquerdo, na roda e num sensor do lado do motorista. Ninguém ficou ferido e os 15 passageiros do autocarro foram transferidos para puderem prosseguir viagem.

Claramente temos alguma responsabilidade, porque se o nosso carro não se tivesse movido a colisão não teria ocorrido. Dito isto, o nosso condutor acreditou que o autocarro iria abrandar ou parar para nos permitir manter o fluxo do tráfego e, por outro lado, acreditou que existiria espaço suficiente para fazer isso”.

O caso está a ser investigado pelas autoridades para apurar os responsáveis. Entretanto a Google considera rever a programação dos carros de forma a evitar futuros incidentes.

Antes deste acidente, os veículos sem condutor da Google já tinham registarado 11 ocorrências no trânsito onde a responsabilidade foi atribuída ao outro automóvel, conduzido por humanos.