Um grupo cientistas alemães está a tentar criar uma vacina universal contra o cancro graças a uma técnica que ensina o sistema imunitário a atacar os tumores, segundo um estudo publicado esta quarta-feira na revista Nature.

Os investigadores da Universidade de Maguncia utilizaram nanopartículas com ARN de um tumor para simular a intrusão de um agente patogénico para a corrente sanguínea e desencadear uma resposta autoimune.

A revista sublinha que os investigadores alemães conseguiram induzir respostas antitumor em ratinhos e, numa primeira fase experimental em seres humanos, em três pacientes com melanoma avançado.

Os cientistas inseriram o código genético das células cancerígenas (RNA) em nanopartículas de gordura e injetaram a mistura na corrente sanguínea. O sistema imunitário dos pacientes respondeu e começou a produzir glóbulos brancos para atacar o tumor.

Como escreve o Independent, o primeiro paciente tem um tumor num gânglio linfático, que diminuiu de tamanho depois de aplicada a vacina. O segundo, que teve um tumor removido cirurgicamente, está livre de cancro sete meses depois da vacinação. O terceiro, tinha oito tumores que se espalharam da pele para os pulmões, que se mantêm "clinicamente estáveis” depois da aplicação da vacina.

Ainda que o sistema imunitário tenha respondido como pretendido, não há ainda provas concretas de que os três pacientes tenham melhorado graças à vacina, ainda assim, o líder da investigação acredita que pode ter sido dado um passo decisivo para encontrar uma vacina universal contra o cancro.

Vacinas como esta são baratas e produzem-se rapidamente, e [podem ser criadas para qualquer tumor] através do RNA”, escreveu o professor Ugur Sahin, que líderou a investigação.