Um objeto invulgar foi captado na superfície do planeta Marte no início do ano. A NASA divulgou a descoberta de uma alegada rocha nas câmaras do robô de exploração espacial, «Opportunity Mars», e começou de imediato a especulação sobre a origem. A NASA já veio, entretanto, desvendar o mistério, mas a verdade é que nem todos parecem convencidos.

Para a NASA, a situação tem, por agora, uma explicação lógica: terá sido o próprio «Opportunity Mars» que terá arrastado a rocha com uma das suas rodas. «Uma vez que movimentamos o robô Opportunity, depois de inspecionar a rocha Pinnacle Island, pudemos ver diretamente de cima uma rocha que tinha uma aparência estranha e incomum. Terá sido esta a origem de Pinnacle Island», afirmou um membro do projeto, Ray Arvidson, da Universidade de Washington em St. Louis.

O astrobiólogo norte-americano, Rhawn Joseph, não acreditou nos esclarecimentos e criticou a agência espacial, afirmando que a mesma está a ocultar informações que provariam a existência de vida extraterrestre.

Joseph avançou para uma queixa contra a NASA, num tribunal na Califórnia.

O que intrigou o astrobiólogo terão sido as fotografias divulgadas pela empresa há 12 dias. Na primeira não se desvenda nada e na segunda, tirada no mesmo lugar, mas duas semanas depois, mostra a «misteriosa pedra», batizada de «Isla Pinnacle».

Rhawn está mesmo convencido de que se trata de um organismo com vida e pede que seja iniciada uma investigação sobre o caso da pedra em forma de «donut».

Será este um elemento crucial para se descobrir o mistério da existência de vida fora da terra? Ou um mero acidente de percurso do robô Opportunity Mars, que já vagueia pela superfície de Marte há uma década?