Uma nova aplicação francesa promete acabar com todos os momentos em que passou por alguém que gostou, ou lhe apeteceu conhecer, e deixou «fugir». Uma segunda oportunidade, chamemos-lhe assim, para os encontros breves que poderiam ter resultado em algo mais.

O problema mais normal quando se encontra alguém que nos capta a atenção num café, supermercado, bar, discoteca, entre outros, é, a questão da insegurança, aquela sensação de que é o único(a) interessado e que faz com que deixe «fugir» «aquela oportunidade». A «Happn» quer acabar com isso.

Funciona como uma alterada versão da já existente aplicação norte-americana «Tinder», onde estranhos podem encontrar o seu parceiro ideal, mas com a particularidade de estar restringida aos 250 metros de proximidade.

Isto é, se passar na rua, café, ou qualquer outro local por alguém que também tenha a aplicação instalada, o «Happn» «dispara» e pergunta-lhe se está interessado. O mesmo surge no ecrã da outra pessoa. De seguida, pode «gostar» do perfil, e se a outra parte fizer o mesmo (somente assim, aliás) o «Happn» sugere uma conversa. Não é possível falar se a «atração» não for mútua.

Caso não esteja interessado(a) pode rejeitar o perfil, a outra pessoa nunca sabe de nada e aquele perfil não volta a cruzar o seu caminho (ou ecrã).

Segundo o «Daily Mail», a aplicação, que para já só está disponível em algumas cidades da Europa, já conseguiu 150 mil utilizadores no seu país de origem, um número curto se pensarmos nos 10 milhões de utilizadores do «Tinder», mas que promete crescer à medida que novas cidades vão sendo adicionadas à aplicação.

«Com o Happn, descobre as pessoas com quem te cruzaste, as pessoas que gostas, as pessoas que gostarias de encontrar novamente!», escreve a empresa no seu website oficial.

Os criadores da «app», Fabien Cohen, Didier Rappaport e Antony Cohen prometem, ainda, que o «Happn» nunca publicará nada na sua página de Facebook, nem guardará registos da sua localização.

Existe ainda a possibilidade de «eliminar» um perfil no qual já não esteja interessado e a hipótese de reportar alguém que não se revelou o que esperava.