O Facebook eliminou uma fotografia em biquíni de uma conhecida modelo norte-americana plus-size, que fazia parte de uma campanha feminista para promover a positividade da mulher em relação ao corpo. A rede social alegou que a imagem não estava de acordo com a política de anúncios da empresa.

"Cherchez la Femme", uma organização australiana feminista, partilhou uma imagem no Facebook de Tess Holliday com o objetivo de promover o bem-estar da mulher em relação ao corpo. A imagem foi eliminada pouco tempo depois pela rede social. 

Fiquei absolutamente furiosa. Não conseguia compreender", disse Jessamy Gleeson, produtora da organização ao jornal britânico The Guardian"A atitude do Facebook foi realmente horrível e alienante ... As mulheres gordas podem, naturalmente, ser tão desejáveis como as outras."

O Facebook justificou, inicialmente, que a foto foi eliminada por não cumprir a "política de saúde e fitness da rede social" e porque mostrava partes do corpo "de maneira indesejável".

Estes anúncios não são permitidos porque fazem com que os utilizadores se sintam mal consigo próprios. Por isso, recomendamos o uso de uma imagem de uma atividade como correr ou andar de bicicleta”, argumentou o Facebook em comunicado.

A organização feminista ficou "chocada" com a resposta do Facebook e recorreu da decisão.

Na segunda-feira, o Facebook, novamente em comunicado, pediu desculpa pela sua posição inicial e disse que, afinal, a foto cumpria as diretrizes da empresa e a sua eliminação tinha sido um "erro".

A nossa equipa processa milhões de imagens publicitárias por semana e pode acontecer a proibição de um anúncio de forma incorreta”, lê-se no comunicado. “A imagem não viola a nossa política de anúncios. Pedimos desculpa pelo erro.”

A organização feminista não ficou, porém, satisfeita com as desculpas do Facebook e espera que a empresa faça uma revisão às políticas de anúncios e à forma como aborda as mulheres.

O Facebook tem de entender que podemos usar imagens de mulheres gordas para promover a felicidade", disse a produtora. "E em relação a todos os casos que não recebem esta atenção dos meios de comunicação? O Facebook já errou em milhares de casos, tenho a certeza”, acrescentou.

Não é a primeira vez que o Facebook é criticado pela censura de fotografias. Em março, o Facebook bloqueou uma fotografia de mulheres em topless, pertencentes a uma tribo indígena. A rede social justificou que a imagem violava o “padrão de comunidade”.

Os mais críticos revelam que o Facebook tem um "duplo padrão" nas políticas, uma vez que algumas celebridades publicam imagens com pouca roupa ou nuas e não são censuradas. O mais recente e conhecido caso é o da socialite Kim Kardashian