O poderoso telescópio espacial europeu Herschel detetou enormes quantidades de água em diversos corpos celestes, incluindo numa estrela anã branca, o que reforça a convicção de existência de ambiente propício para formação de vida noutros planetas.

“Há muitas estrelas anãs brancas que detêm grandes quantidades de hidrogênio nos seus ambientes e esta nova descoberta sugere que os asteroides e cometas são ricos em água, são comuns em torno de outras estrelas que não o Sol”, disse o astrónomo Boris Gänsicke, citado numa nota publicada na página da Universidade britânica de Warwick.


O maior telescópio espacial apurou ainda que um grande número de planetas pode, assim, ter um volume de teor de água comparável ao da Terra, pois a quantidade de água encontrada é equivalente a 30-35% do volume dos oceanos presentes na terra, de acordo com pesquisadores da Universidade de Warwick.

A pesquisa encontrou provas de inúmeros corpos planetários, incluindo asteroides e cometas, que contém grandes quantidades de água, que, provavelmente, terão chegado à Terra através destes corpos celestes que colidiram com a superfície terrestre.

“Muitos planetas podem conter um volume de água comparável à contida na Terra”, afirmou Roberto Raddi, coautor do estudo publicado hoje pela Royal Astronomical Society, em Londres.


O cientista referiu que o aparecimento desta quantidade de água pode ter resultado do embate com asteroides ou cometas, nomeadamente o planeta Terra, “criando um ambiente propício” para a formação de condições para a vida.

Lançado em maio de 2009, o Herschel é o maior e o mais poderoso telescópio de infravermelhos já lançado no espaço e tem um espelho de 3,5 metros de diâmetro.