A Suécia destinou a maior percentagem do orçamento para Tecnologias de Comunicação e Informação, 15% do total, em 2012. Portugal destinou só 1,5%, a segunda menor dotação a nível europeu.

Os dados divulgados pela Comissão Europeia revelam que os 28 Estados-membros precisam de melhorar a estratégia para atingir as metas estipuladas por Bruxelas em relação ao investimento em TIC.

«O investimento público na investigação e desenvolvimento na área digital está por detrás de muita da tecnologia que damos por adquirida, apoiar os investigadores a desenvolver as suas ideias significa novos produtos e serviços, novos empregos. Nos próximos sete anos, através do Horizonte 2020, iremos investir mais de 13 mil milhões de euros nesta área. Espero que os Estados-membros melhorem os seus esforços», reiterou a comissária para a Agenda Digital, Neelie Kroes.

A União Europeia dota 6,6% do orçamento total em tecnologias de comunicação e informação, atrás dos 9,1% do Japão e dos 7,9% dos Estados Unidos.

Os números mostram que a União Europeia investiu 5.962 milhões de euros em 2012, valor atrás dos 11 mil milhões de euros de investimento anual em tecnologias de informação e comunicação que pretende atingir até 2020.

Em termos absolutos, os países com mais investimento em investigação e desenvolvimento de tecnologias de informação e comunicação foram a Alemanha (1,2 mil milhões de euros), o Reino Unido (690 milhões), a Espanha (600 milhões) e a Suécia (550 milhões).

Neste contexto, suecos e belgas são os que atribuem uma percentagem maior do seu orçamento (15% e 11%, respetivamente), com a Suécia a liderar largamente na comparação da despesa per capita (58 euros por habitante).

No entanto, os 23,3 milhões de euros investidos por Portugal neste setor em 2012 são o 13.º valor mais elevado a nível europeu, à frente de Malta, da Bulgária, da Croácia, de Chipre, da Roménia, da Eslováquia, da Eslovénia, da Hungria, do Luxemburgo, da Letónia, da Lituânia e da Estónia.