O campo magnético do Sol vai completar uma inversão de polaridade nos próximos três a quatro meses, um processo que ocorre todo os onze anos, informou na quarta-feira a agência espacial norte-americana NASA.

«Esta mudança terá consequências em todo o sistema solar», adiantou o físico solar Todd Hoeksema, da Universidade de Stanford, na Califórnia, em declarações divulgadas pela NASA.

A inversão de polaridade - o polo norte passa para o sul e vice-versa - ocorre no fim de cada ciclo solar, quando o magnetismo interno do Sol se reorganiza.

Durante esta fase, que os físicos denominam Máximo Solar, as erupções de energia podem aumentar os raios cósmicos e ultravioletas que chegam à Terra, algo que pode interferir com as comunicações por rádio e afetar a temperatura do planeta.

A influência magnética solar, mais conhecida como heliosfera, estende-se por milhares de milhões de quilómetros para lá de Plutão e é captada pelas sondas Voyager, lançadas em 1977 e que agora giram em torno do limite do espaço interestelar.