A falta de sono provoca alterações na atividade cerebral que levam as pessoas a sentirem mais fome e um maior desejo de alimentos que engordam, revela um estudo publicado nesta terça-feira na revista «Nature Communications».

Investigações anteriores tinham encontrado uma relação entre a diminuição da duração do sono e o aumento rápido da obesidade nos países industrializados, mas, até ao momento, os cientistas eram incapazes de explicar porquê.

Neste estudo, uma equipa de investigadores da Universidade da Califórnia estudou o cérebro de 23 pessoas utilizando aparelhos de ressonância magnética. A atividade do cérebro foi analisada após um noite completa de sono e depois de uma noite «em claro».

Nas pessoas privadas de sono foram observadas perturbações nas regiões do córtex que avaliam a saciedade e as zonas associadas aos desejos irresistíveis tinham sido fortemente estimuladas.

«Fizemos uma outra descoberta interessante: os alimentos mais calóricos eram particularmente procurados pelas pessoas privadas de sono», disse Matthew Walker, um dos autores do estudo.

«Todas estas descobertas podem potencialmente explicar a ligação entre a falta de sono, o aumento de peso e a obesidade», adiantou o investigador em declarações por correio eletrónico, à agência France Presse, como veicula a Lusa.

O investigador considerou que dormir suficientemente «pode permitir controlar melhor o peso, através dos mecanismos cerebrais que regem as escolhas alimentares».

Em todo o mundo, mais de um terço dos adultos com mais de 20 anos têm peso a mais e 11 por cento são obesos, segundo dados da Organização Mundial da Saúde.