Uma equipa de cientistas fez uma descoberta importante no nordeste da Austrália: encontrou sémen fossilizado de uma pequena espécie de camarões que habitou o planeta há 17 milhões de anos.

De acordo com fontes académicas da Universidade de Nova Gales do Sul, citadas pelo jornal francês «Le Monde», o esperma do crustáceo, que media cerca de 1,3 milímetros de comprimento, era maior do que o corpo do camarão. O sémen estava enrolado dentro dos órgãos genitais do animal, conhecido como ostrácodo.

Mike Archer, paleontólogo da Universidade de Nova Gales do Sul, que tem escavado o local há mais de 35 anos e é um dos autores do estudo publicado na revista «Proceedings» da Royal Society B, diz que é o «esperma fossilizado mais antigo que foi encontrado».

O cientista australiano diz que a descoberta do esperma fossilizado, incluindo o núcleo, que contém a informação do ADN e dos cromossomas, foi um evento inesperado no parque de Riversleigh, inscrito pela UNESCO na lista do Património Mundial. Isto mesmo sendo o local conhecido por achados surpreendentes, «como o ornitorrinco gigante com dentes e cangurus carnívoros», sublinha Archer.

Os fósseis de moluscos foram descobertos por Archer, Suzanne Mão e Henk Godthelp em Bitesantennary Riversleigh em 1988, mas foi John Neil, especialista em ostrácodos da Universidade australiana La Trobe, que descobriu que eles continham tecidos moles fossilizados.

Outras análises, feitas posteriormente na Alemanha e em França, detetaram os órgãos internos de espécimes fossilizados, incluindo o sexo, e dentro deles o sémen estava em boas condições. As análises também revelaram que os órgãos dos crustáceos machos que servem para transferir esperma para o sexo feminino tinham sido preservados, apesar da passagem do tempo.

«Há 17 milhões de anos, o sítio de Bitesantennary era uma caverna no meio de uma vasta floresta tropical, com alto índice de biodiversidade», explica uma outra cientista da Universidade de Nova Gales do Sul. «Pequenos ostrácodos desenvolveram-se num charco de água dentro da caverna que era continuamente enriquecida pelos excrementos de milhares de morcegos», explica Suzanne Hand.

Para Hand, os excrementos de morcegos contribuíram para os altos níveis de fósforo na poça de água, que por sua vez contribuíram para a mineralização dos tecidos moles dos pequenos crustáceos e para a sua preservação.